Trabalho x Crianças | Mães relatam descaso do Governo Casagrande

Orientações aos servidores no retorno ao trabalho presencial. Exija seus direitos.
11 de setembro de 2020
Transparência | Projeto de Lei defende que reuniões de Conselhos e Fóruns sejam transmitidas ao vivo
15 de setembro de 2020

Um dos dilemas de vários pais, em especial as mães, está sendo com quem deixar as crianças em idade escolar durante o seu expediente de trabalho.

Uma servidora do Incaper, que preferiu não se identificar, comentou que sem ter com quem deixar sua filha de seis anos, está tendo que levá-la para o trabalho. “Não tenho condições de pagar babá, o que eu acredito, independente de dinheiro, não é a hora ainda de colocar alguém dentro de minha casa que primeiro eu não conheço e segundo que não sei por onde essa pessoa anda, se pode ou não trazer o vírus pra dentro da minha casa, ou ela levar pra casa dela. Portanto, tenho que levar a minha filha para o meu trabalho, infelizmente. Em meu trabalho, tenho tentado ficar sozinha na sala com ela, mas estamos sem faxina, então o chão, os móveis e os banheiros ficam bem sujos. Temos que “dar um jeitinho” para limparmos pelo menos um pouco o nosso espaço. Mas não é a situação mais adequada”.

Situação semelhante vive uma outra servidora da AGERH, que mesmo com filho de 2 anos, não foi liberada pela chefia para trabalho remoto. “Tenho um filho de 2 anos, matriculados por tempo integral em escola de ensino infantil. A maior parte do meu serviço é analisar resultados de amostras ambientais dos rios do estado do espírito santo e até a presente data, as coletas de amostras não estão sendo realizadas porque as viagens para outros municípios estão suspensas e as outras demandas estou atendendo trabalhando em casa e cuidando do meu filho, pois meus parentes não são da Grande Vitória”.

Cabe salientar que a falta de orientação e regras claras por parte do Governo do Estado, configura atentado à legislação federal, no caso o Estatuto da Criança e do Adolescente ao negligenciar o amparo à essas. Dentre vários artigos que estariam sendo descumpridos pelo Estado, ao desampará-las está o Art. 7º “A criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência”. No momento em que o governo estadual não garante sequer condições efetivas das crianças e adolescentes estarem em ambiente seguro enquanto seus pais trabalham, há uma infração grave.

Diante aos fatos, o Sindipúblicos tomará as medidas cabíveis para resguardar os direitos de todos os servidores e seus filhos e orienta para que demais pais/mães que estejam passando por situação semelhante busquem a devida orientação jurídica da entidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − cinco =