STF garante inconstitucionalidade em manobra do ES que inclui inativos em despesas com educação

Sindipúblicos visita nova sede da Ciretran Vitória
11 de fevereiro de 2021
ES perde Lula Rocha, atuante na defesa dos direitos sociais
11 de fevereiro de 2021

O Supremo Tribunal Federal publicou neste dia 09 de fevereiro, a certidão de trânsito em julgado da ADI 5691, na qual este Sindipúblicos é uma das partes como “amicus curie”.

O julgamento da ADI 5691 garantiu o caráter inconstitucional da manobra realizada pelo governo do Espírito Santo em pagar inativos com recursos da educação e ainda descontar esses valores dos 25% percentuais que cada estado deve aplicar no ensino.

Com a decisão, o governo do Estado deverá de fato garantir 25% de seu orçamento na educação, excluindo os custos com o pagamento aos servidores aposentados, visto que a ADI garantiu a inconstitucionalidade da inclusão de encargos relativos a inativos da educação na categoria de despesas com manutenção e desenvolvimento do ensino, por vício formal e material”.

O julgamento da ADI foi realizado ainda em 2020, quando em sessão virtual o Plenário do STF, por unanimidade, tornou inválidas as normas do TCE-ES desde que foram editadas, ficando proibida a inclusão das despesas com inativos no cálculo do índice constitucional aplicado em educação já no exercício de 2020.

Todos os 10 ministros acompanharam o voto da relatora da ação, ministra Rosa Weber, no qual ela destacou a colaboração do Ministério Público de Contas do Espírito Santo (MPC-ES) para a contextualização do problema e as suas implicações para o adequado financiamento da educação pública no Espírito Santo. O MPC-ES atua na ação na qualidade de amicus curiae (amigo da corte).

Com base nas normas inconstitucionais do Tribunal de Contas, o governo do Estado utilizou R$ 6,1 bilhões de recursos da educação para pagar aposentados e pensionistas originários da área, de 2009 a julho de 2020, segundo demonstra levantamento feito pelo MPC-ES e citado no voto da relatora.

Diante da decisão do STF, as normas do TCE-ES não poderão mais ser utilizadas como parâmetro para o cálculo da aplicação do mínimo de 25% da receita de impostos em manutenção e desenvolvimento do ensino, conforme estabelecido no artigo 212 da Constituição Federal. Isso porque, elas tiveram a inconstitucionalidade declarada por usurpação de competência privativa da União para legislar sobre as diretrizes e bases da educação nacional e por violarem diretamente os artigos 167, IV, e 212, caput, da Constituição Federal ao vincularem receitas derivadas de impostos ao pagamento de despesas com proventos e aposentadorias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezesseis =