Sindicato cobra da Ales aprovação de lei que suspenda parcelas de consignados

Diante a pandemia, que tem afetado a renda de milhares de brasileiros, entre esses as famílias de servidores públicos estaduais, o Sindipúblicos cobrou da Assembleia Legislativa a aprovação de lei que garanta a suspensão das parcelas dos empréstimos consignados.

Conforme levantado pela diretoria do sindicato, atualmente tramitam na Assembleia Legislativa (Ales) cinco matérias de autoria parlamentar, relacionadas à suspensão temporária da cobrança de parcelas de empréstimos e financiamentos firmados com instituições bancárias e financeiras, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. São os Projetos de Lei (PLs) 182/2020, 217/2020, 219/2020, 220/2020 e 222/2020.

“A matéria é de extrema importância para os servidores públicos do Estado do Espírito Santo, muitos dos quais tiveram impactos em sua renda familiar devido a restrições nas rendas de parentes e dependentes” destaca o presidente do Sindipúblicos, Tadeu Guerzet.

A aprovação da suspensão de cobrança dos empréstimos consignados impactaria diretamente na economia regional ao contribuir na manutenção do poder de compra e consumo das famílias, diminuindo assim os impactos que a crise tem na circulação monetária no estado.

No ofício, o sindicato ainda ressalta que outros estados já aprovaram lei nesse sentido, como Rio de Janeiro, Paraíba, Rondônia, Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso do Sul. No âmbito federal, também tramitam no Congresso diversos projetos de Lei que buscam a suspensão das cobranças em todo o país.
Diante disso, o Sindipúblicos reforça a necessidade do legislativo capixaba se empenhar para a regular e célere aprovação dos projetos de lei já apresentados em benefício a toda sociedade capixaba.

 

 

  • Erickson Navarro Dos Santos

    Muito boa a iniciativa do Sindicato. Além da cobrança, seria bom ressaltar a necessidade de ampliação do prazo, como foi feito no Pará que igualou ao prazo de servidores públicos federais que hoje são de 120 meses, uma vez que não sabemos até quando esse cenário permanecerá no país.

  • Erickson Navarro Dos Santos

    Muito boa a ação do Sindicato, outro ponto é o aumento do prazo ofertado, o Pará elevou seu prazo e reduziu os juros já aplicados, como argumento usou que o cenário não tem precedentes e não tem data certa de fim.