Servidores do IPAJM denunciam má gestão e condições precárias

Reunidos em assembleia extraordinária no último dia 24 de agosto, os servidores do IPAJM aprovaram a pauta de reivindicações junto ao governo e a realização de manifestações, com possibilidade inclusive de entrarem em greve.

Um dos motivos é a falta de estrutura física do Instituto, colocando em risco a vida dos servidores que ali trabalham e os que são atendidos. Desde 2007 os servidores temem por suas vidas, pois os prédios não possuem o mínimo de segurança. Fotografias mostram que durante esses quatro anos não foram realizadas melhorias. O IPAJM à época se comprometeu junto ao Ministério Público do Trabalho, Defesa Civil, Ministério Público Estadual, Corpo de Bombeiros, CREA realizar as adequações necessárias para realizar o atendimento e não colocar em risco a vida dos servidores, mas nada foi realizado. Durante os dois anos do atual presidente à frente da autarquia, nada mudou. “O IPAJM gere a previdência dos três poderes, precisamos ter um dirigente que conheça a previdência e que seja nosso segurado. Chega de indicações políticas. Precisamos de ter eleições diretas para a presidência da autarquia” destaca Gerson Correia de Jesus, presidente do Sindipúblicos.

Outra denúncia é o privilégio e a agilidade dada para a aposentadoria do alto escalão do governo, diferente do burocrático processo para os demais servidores. Enquanto alguns demoram anos para conquistar seu direito, os privilegiados do governador Casagrande conseguem em poucos dias. Um dos casos que chama atenção é de Umberto Messias de Souza, conselheiro membro do Tribunal de Contas do ES. Como divulgado no DIO, da data do protocolo do pedido de sua aposentadoria até a aprovação dessa demorou apenas uma semana.

Mesmo os servidores tendo comunicado ao governo que não irão aceitar mais ter que burlar o código de ética à mando do alto escalão para favorecer esses privilegiados, o próprio governador tem cobrado que o IPAJM continue a dar esse tratamento privilegiado à alguns de seus aliados.

Na pauta encaminhada ao governo, os servidores do Instituto reivindicam:

Criação de Gratificação Previdenciária;

Instituição da Insalubridade;

Incidência das vantagens pessoais sobre extensão carga horária;

Reposição das perdas provenientes das diferenças da inflação (período 2007/2012);

Promoção dos servidores abrangidos pela lei 501/2009;

Melhores condições de trabalho para melhor atender os segurados.

O reajuste do auxilio alimentação e o pagamento do mesmo aos servidores optantes pelo subsídio.