Servidores aprovam dia estadual de paralisação e sinalizam greve geral

Em assembleia geral unificada, que reuniu mais de 500 servidores dos mais diversos órgãos e poderes vindos de todo o estado, foi deliberado por uma grande paralisação geral no próximo dia 30 de setembro.

Durante a Assembleia,  os servidores também sinalizaram por uma greve geral unificada, respeitando o rito de greve das leis federal e estadual, caso o governo continue a negar o direito constitucional da recomposição inflacionária.

Governo se desentende

Na véspera da Assembleia Geral Unificada o governo parece não se entender quanto as reivindicações das categorias: recomposição inflacionária imediata de 5,56%; fixação da data-base e implantação de uma mesa permanente de negociação.

Enquanto a secretária de gestão e recursos humanos, Lenise Loureiro, convocou os sindicatos para uma reunião onde informou que o governo continua a estudar a movimentação econômica, sem garantir data nem índice de recomposição; o secretário de Estado, Tiago Hoffman no mesmo dia foi à imprensa dizer que o Estado não daria mesmo a recomposição este ano.

Após a repercussão negativa junto aos servidores, o próprio Tiago foi às redes socias negar que tenha feito afirmação ao jornal. Porém, novamente desmentido pelo jornalista que reafirma que o secretário teria dito o que foi colocado na reportagem.

Fato é que o governo continua a negar a pauta das categorias sem apresentar nenhum dado oficial e sequer responder às solicitações oficiais protocoladas.

Mobilização

Mediante a negativa do governo Casagrande, o Sindipúblicos reforça a importância dos servidores se mobilizarem nas redes sociais e em seus locais de trabalho para que no próximo dia 30 de setembro o movimento seja ainda mais representativo para reforçar a luta pela pauta das categorias. Participe.