Sabatina com candidatos ao governo lota auditório 

O auditório da Assembleia Legislativa ficou pequeno para o público que foi prestigiar a sabatina dos candidatos ao Governo do Espírito Santo na tarde desta quinta-feira 13 de setembro.

No primeiro bloco, os candidatos ao governo discorreram sobre os temas saúde, educação, segurança pública, isenção fiscal e estado ideal. No segundo, responderam perguntas que foram enviadas pela plateia através do WhatsApp.

Confira abaixo parte das respostas dos candidatos e vídeo completo:

André Moreira

Não acreditamos na saúde privatizada é preciso que ela seja realizada sim por servidores efetivos. A Escola Viva atende apenas 20 mil alunos, enquanto isso o governo fechou turmas e sequer cumpriu a obrigação de investir 25% do PIB na educação. Defendemos a reposição salarial da PM e dos demais servidores. Temos que investir na segurança publica. O servidor não pode pagar pela política de austeridade sendo que o governo não cortou no altos cargos, na própria carne. É preciso capacitar e investir no Fisco, arrecadar melhor,  garantir mais recursos para todas as políticas públicas que devem ser discutidos junto às comunidades. O serviço público para nós é estratégico.

Aridelmo

Qualquer incentivo fiscal é burro. Temos que nos unir e eliminar isso do Brasil. Não vou me ater se a saúde será por meio de OS ou por servidores, mas sim oferecer um bom serviço de saúde à sociedade. Eu participei da criação do Escola Viva. Mas não foi só esse projeto que garantiu melhoria no IDEB, foi a atuação dos professores que precisam ser valorizados.  Na segurança pública temos que investir em tecnologia, unificar o banco de dados e trabalhar para toda a sociedade. O estado ideal é o que o melhor presta serviço à sociedade. A despesa com a máquina pública cresceu 66% e o servidor continuou ganhando mal, temos que privilegiar o servidor efetivo.

Carlos Manato

Não vi ninguém falar de reforma administrativa. Nosso estado é pesado, vamos cortar 20% de cargos comissionados. Se na saúde vai ser privado ou servidor eu não quero saber, tô preocupado sim em colocar dinheiro, que vai pelo ralo atualmente, na saúde. Descentralizar as unidades de saúde. Temos que aumentar as escolas de tempo integral, mas discutindo com as comunidades. Investir em polícia de divisa, nas fronteiras; a droga não está no morro. Quero fazer segurança pública sem dar nenhum tiro. Precisamos desinchar a máquina pública, diminuir os cargos comissionados, facilitar a licença ambiental para fazer represas e contribuir na agricultura.

Jackeline Rocha 

Precisamos colocar uma lupa nas isenções fiscais. Precisamos estabelecer concurso público.  O servidor valorizado cuida bem da nossa população. Escola Viva exclui parcelas grandes da comunidade, uma escola de tempo integral tem que dialogar com a comunidade e tem que ser atrativa. Não é possível que o Espírito Santo, que tem grandes reservas energéticas, não é capaz de dar aumento aos professores. Defendemos a não privatização das empresas públicas, Cesan, Banestes. Precisamos recompor gradativamente as perdas salariais por meio de estudos junto ao Instituto Jones. A questão de segurança sempre foi tratada apenas com repressão. Precisamos fazer um diálogo, pensar no conselho de segurança, com participação popular.

Renato  Casagrande

Incentivos fiscais estão com os dias contados. Temos que buscar novas fontes de receitas. A diretriz na saúde não pode ser a terceirização como um modelo único. Temos que fazer uma auditoria nas OS. Precisamos dialogar com a comunidade, com os servidores da educação para melhor atender as escolas de tempo integral, dar estrutura para os professores atuarem. Segurança Pública é fundamental em nosso governo, passa por todas as áreas. Atualmente estamos sem efetivo na PC na PM. Temos que voltar com o BME, Rotan e cancelar as perseguições. Precisamos alertar que nós deixamos a Previdência Estadual superavitária. Hoje existem dois fundos. O Financeiro  que paga os benefícios aos que ingressaram no serviço público até 2004 e nesse fundo não entraria mais servidores e o Fundo Previdenciário, instituído sob regime de capitalização, é destinado a custear o pagamento dos benefícios previdenciários aos que ingressarem a partir de 2004. O governo atual passou vidas do fundo Financeiro para o Previdenciário, isso é indevido. Temos que continuar a garantir uma gestão segura, técnica e transparente no IPAJM. Precisamos avaliar como estará a economia para realizar os aumentos aos servidores. Vou montar um fórum permanente e definir com vocês o trabalho de valorização a ser realizado e garantir infraestrutura para os servidores trabalharem.

Rose de Freitas

Temos que combater a sonegação, temos que rever os incentivos e as desonerações e avaliar quais os benefícios eles trazem ao estado. Temos que dar qualidade de vida à população, construir parcerias com o governo federal. Não dá para fechar escola pública. Isso é o absurdo dos absurdos. Vamos colocar escola onde for preciso, capacitar professores, modernizar o ensino. Temos que reconhecer que a remuneração de nossos policiais é injusta, com uma defasagem muito grande, que tem que repor as perdas do funcionário público.  A sonegação no ES é de cinco milhões, imagina esse dinheiro sendo investido para fortalecer o serviço público.  Se você desvaloriza os órgãos capazes de fiscalizar, você perde receitas. É preciso repor gradativamente as perdas salariais de todos os servidores. E a previdência tem um problema de gestão. Quanto a dívida pública, está sendo auditada pelo congresso nas comissões específicas.

A sabatina foi promovida pela Pública Central do Sevidor que está encampando a campanha Voto Consciente Servidores Eleições 2018, que visa propiciar um debate das propostas dos candidatos aos serviços públicos bem como oportunizar o diálogo dos servidores candidatos à categoria. Em outubro, vote consciente!

Link direto para o vídeo do debate:

https://facebook.com/story.php?story_fbid=254042625249393&id=245466755596150