Petição supera 4,5 mil apoios para garantir aulas só após vacinação

Live desta quarta aborda os desafios de manter a saúde mental nas novas rotinas
31 de agosto de 2020
Reforma Administrativa é baseada em fake news e atingirá todos os servidores
1 de setembro de 2020

Uma petição pública criada por um grupo de entidades sindicais e da sociedade civil organizada, entre essas o Sindipúblicos, alcançou em poucos dias mais de 4,6 mil assinaturas.

“Chega a ser assustador o posicionamento público por parte dos Empresários donos de Escolas Particulares no Espírito Santo (Brasil) e a pressão sobre o Governo do Estado para o retorno das crianças e professores à sala de aula, com tantos novos casos de contaminação e de morte infantil.

Mesmo sem nenhum aval da Ciência ou da OMS – Organização Mundial de Saúde, tentam forçar o governo a acelerar a VOLTA ÀS AULAS justo no momento em que o Brasil ultrapassa os 115.000 MORTOS pela Pandemia de Coronavirus, sem termos ainda sequer uma vacina disponível.

Ora, se nem mesmo adultos estão se protegendo, e isolamento social jamais realizamos de forma plena enquanto comunidade, não há porque imaginar que as crianças o farão ou que usarão máscaras por horas a fio”.

A petição ainda destaca a pesquisa DataFolha de 17/08/2020, em que revela: 79% dos brasileiros dizem que reabertura de escolas no país agravará a pandemia (59% disseram que vai agravar muito, e 20% que vai agravar pouco), e 79% disseram que as escolas devem permanecer fechadas nos próximos 2 meses.

Outro dado preocupante refere-se à Manaus. Após a reabertura das escolas amazonenses, em torno de 30% dos professores foram contaminados.

Para assinar a Petição, clique neste link. A divulgação e o aumento do número de adesões se tornam cada vez mais importante diante a pressão do empresariado das escolas particulares que pressionam pela reabertura.

O documento reforça ao Governo do Estado a importância de manter as aulas presenciais suspensas para toda rede de ensino enquanto não tiver vacinação que garanta segurança evitando novas contaminações e consequentemente mortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 1 =