Mourão, vice de Bolsonaro e Marcos, secretário de Casagrande defendem privatizações e redução salarial para servidores

Diretoria plena irá se reunir dia 08 para discutir pandemia e recomposição inflacionária
1 de dezembro de 2020
Dirigentes sindicais realizarão ato nesta segunda pela recomposição da inflação
4 de dezembro de 2020

Em um evento empresarial, ligado à Rede Gazeta, o vice-presidente Mourão usou da falácia que para o país crescer é preciso reduzir o Estado, realizando privatizações, corte de gastos públicos e defendeu inclusive a redução salarial aos servidores, sendo enfático “o que é melhor: receber 75% do salário ou não receber nada, como acontece em alguns Estados?”

Os ataques aos servidores públicos, que tem dado à vida no combate à pandemia, com vários inclusive vindo à óbito, foram para além do evento. Nesta quinta-feira, 03 de novembro, foi a vez do secretário de desenvolvimento de Casagrande, Marcos Kneip, atacar o funcionalismo público. No Bom dia ES, da Tv Gazeta, ao ser questionado sobre o posicionamento de Mourão, o secretário estadual confirma que “eu vejo com muito bons olhos, eu espero que o chefe dele [Bolsonaro] também pense da mesma forma pois é muito importante pra nós.

O Sindipúblicos além de repudiar os posicionamentos de Mourão e de Marcos, reforça que essa tese é uma grande falácia proposta pelo grande empresariado que defende que o Estado doe bilhões em benefícios fiscais para as empresas – sem transparência para eles – enquanto retira direitos e até mesmo salário dos servidores públicos, que nessa pandemia mostraram mais uma vez a importância para o país, tem sido defendida publicamente.

O que é preciso defender é uma Reforma Tributária que tribute as grandes fortunas gerando assim caixa para o Estado continuar a investir nos serviços públicos utilizados pela população inclusive nesse período de pandemia que se mostrou ainda mais importante para o desenvolvimento econômico-social do país.

“Não podemos aceitar que políticos defendam retirada de direitos dos servidores, que movem a máquina pública e a economia para garantir benefícios à empresas, muitas vezes, inclusive, estão com débitos fiscais. Precisamos recharçar essa teoria.” Finaliza Tadeu Guerzet, presidente do Sindipúblicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =