Maioria dos parlamentares capixabas vota contra o povo pelo aumento bilionário no fundo partidário

Aposentados e pensionistas do IPAJM: recadastramento é prorrogado para janeiro de 2022
12 de julho de 2021
Filiados ao Sindipúblicos concorrem ao Conselho Administrativo do Detran nos dias 20 e 21 de julho
19 de julho de 2021

Enquanto a população sofre com desemprego e alta inflacionária, chegando a fazer fila para comprar osso bovino, oito dos treze parlamentares federais pelo Espírito Santo votaram pelo aumento do Fundo Especial de Financiamento de Campanha.

A votação foi realizada na última quinta-feira (15), em sessão do Congresso sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) ficando aprovado que os valores destinados aos partidos para campanha eleitoral passaria de R$2 bilhões (2020) para R$5,7 bilhões em 2022, quase o triplo.

Entre os deputados, o placar de votação foi de 278 votos a favor do projeto, 145 contra e 1 abstenção. Entre os senadores, 40 a favor e 33 contra. Com a aprovação da LDO, o Congresso entrará formalmente em recesso parlamentar, entre 18 e 31 de julho.

Esse valor de R$5,7 bilhões daria para garantir um auxílio-emergência de R$600 para 9,5 milhões de famílias.

Destaca-se que a votação do Fundão só prova que não é o servidor público, como o governo Bolsonaro e congressistas defendem, que onera o país. É o mau uso do dinheiro público, com mordomias ao alto escalão e gastos exagerados como do Fundão, que trazem graves prejuízos ao Brasil.

Fica evidente que o objetivo da Reforma Administrativa como proposta é aumentar o valor disponível para uso indevidos dos políticos em cima de uma massacre aos servidores. Diga não! Cobre e denuncie os parlamentares que defendem a Reforma Administrativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + quatro =