Luxos de Hartung – Caos nos serviços públicos, mas prioridade é reforma em residência oficial

Nota de esclarecimento 
9 de janeiro de 2017
Luxos de Hartung – Nega auxílio-alimentação aos servidores, mas gasta R$ 308 mil em comida
11 de janeiro de 2017

 

4596557879_a8c1c25448_z

Governo mantém gastos milionários para manter luxos e privilégios nos palácios e residência oficial de Hartung

Apenas o valor de R$ 284.259,40 declarado para realização de reforma na residência oficial do governador do Espírito Santo, localizada na Praia da Costa, em 2016, daria para comprar um apartamento de três quartos e 90m², no bairro de Jardim Camburi ou um de 100m², na Praia da Costa, em Vila Velha.

A manutenção e reforma da residência oficial é apenas um dos luxos que Hartung faz questão de manter. Apesar de realizar cortes nas áreas essenciais à população, o orçamento para a Secretaria de Estado Governo (SEG) – cuja função é assessorar o governador –possuiu o maior orçamento (mais de R$ 20 milhões) em 2016. Custos esses que servem para manter uma estrutura inchada estrutura política, onde dos 160 profissionais, 117 são comissionados.

As informações estão no site da Transparência do Governo. Quanto ao custo da reforma, é discriminado como liquidada em sete pagamentos durante o ano, e foram utilizados em “reparos, reformas e manutenção predial, com fornecimento de materiais e mão de obra”.

Os custos com a residência oficial não pararam por aí. O portal da Transparência informa ainda que foram gastos R$ 225.939,39 em serviços de jardinagem durante o ano de 2016 na Praia da Costa, no Palácio Anchieta e no Palácio da Fonte Grande, sendo que os palácios possuem áreas verdes mínimas, sendo a maioria encontrada na residência.

Lá, ainda foram gastos R$ 18.500,00 em postes com luminárias; R$ 12.809,00 em equipamentos de cozinha e eletrodomésticos; R$ 11.500,00 para fornecimento e instalação de toldos; R$ 5.320,00 de ferramentas e materiais elétricos para reparos; R$ 17.600,00 em aparelhos de ar condicionado; R$ 5.300,00 em prestação de serviços de reforma, montagem e desmontagem de estofados; R$ 5.147,80 para aquisição de tecidos para reforma dos estofados e R$ 6.076,70 para serviço de lavagem e passagem de roupas.

Outros R$ 1.592.349,62 foram gastos no decorrer do ano, também nas três localidades, com a prestação de serviços de hotelaria, cozinha, arrumação, limpeza, lavanderia, recepção e ascensorista, mas não é especificada a divisão exata do valor para cada prédio, e outros R$ 1.884.442,95 foram gastos com vigilância.

Despesa com energia cresce em 2017

As despesas com energia elétrica na Secretaria de Governo, durante o ano de 2016, foram de R$ 888.837,98, sendo que a conta mais cara foi no mês de março (R$ 102.229,40). Já em dezembro o gasto foi (talvez!) mais consciente, chegando a R$ 68 mil.

Se as despesas com energia do ano de 2016 já eram consideradas altas para os estabelecimentos que compõem a Secretaria de Estado de Governo, o montante reservado para o pagamento da EDP Escelsa pela SEG em 2017 é ainda maior.
Existem dois processos na modalidade “dispensa de licitação” nas compras governamentais: um cujo valor é empenhado em R$ 1.164.000,00 e outro com valor empenhado de R$ 1.140.000,00, para a despesa durante os 12 meses de 2017.

Nota-se com isso indícios de tráfico de interesses políticos. Enquanto o governo reduz contratos com várias empresas, com a EDP, na qual Hartung já foi um dos conselheiros, o contrato prevê aumento nos valores.

O Sindicato irá encaminhar os dados aos organismos competentes para fiscalização e cobra do governo do Estado que se faça valer também para o governador e sua equipe a sua política de cortes. É inaceitável que enquanto a população e servidores sofrem com a falta de investimentos, o governo aumenta o custo com privilégios que precisam serem revistos. A manutenção de uma residência oficial, que teve um custo superior à 2 milhões/ano revela-se ser totalmente incoerente devido a atual conjuntura política-econômica brasileira, inclusive devido ao governador residir na Grande Vitória e o governo possuir já duas sedes administrativas. A atual residencia oficial da praia da costa precisa ser revista com a utilização de alguma secretaria/autarquia que venha atender ao público.

Segundo reportagem do ES Hoje no qual citam os dados acima, o jornal relata que o Governo do Espírito Santo não comentou os gastos.

 

Fonte: ES Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + onze =