Há 8 meses governo Bolsonaro não envia inseticida e casos de dengue ‘explodem’ no ES

Fórum mapeia uso de 1,2 mil tipos de agrotóxicos no ES 
13 de janeiro de 2020
Mobilidade urbana inclui tudo
17 de janeiro de 2020

Quem não teve dengue, chikungunya ou zika provavelmente conhece algum familiar ou amigo que tenha sido picado pelo Aedes aegypti.

Recentemente a imprensa tem noticiado o aumento dos casos e reforçado para a população não deixar água acumulada evitando entulhos e lixo.

Só no Espírito Santo foram mais de 79 mil casos de dengue em 2019 e 43 mortes, bem superior aos 16 mil de 2018.  Também foram registrados 1.201 casos de infecção pelo zika vírus e mais de 500 casos de chikungunya. Em todo o país, os números da Dengue alcançaram mais de 1,5 milhão, com 754 óbitos.

No entanto, pouco se diz que um dos motivos para esse aumento é a falha do governo federal, responsável pela compra e distribuição do Malathion, inseticida utilizado contra o Aedes aegypti adulto nos carros de fumacê. O produto está em falta no país desde abril de 2019, sem ser repassado para os estados e municípios. O Ministério da Saúde justifica falha no lote.

Porém, passados mais de oito meses, vários estados continuam desabastecidos e o governo não conseguiu repor e nem mesmo providenciar um outro produto. Procurada, a Secretaria de Saúde do ES (Sesa) confirmou que “ainda não foi normalizada a distribuição do inseticida Malthion pelo Ministério da Saúde”.

Segundo informações divulgadas à imprensa, a estimativa é que somente em fevereiro de 2020 seja normalizada a entrega de inseticida aos Estados.

Saúde na UTI

Problemas de distribuição tem sido constantes junto ao Ministério da Saúde. No início de 2019, pacientes com leucemia ficaram durante meses sem o Mesilato de Imatinibe; recentemente crianças foram atingidas devida à falta da vacina Pentavalente. Até mesmo os PET’s não receberam as doses da vacina antirrábica em 2019, ficando pela primeira vez durante anos sem o país realizar a campanha de vacinação contra a raiva.

A justificativa são sempre de problemas externos. É urgente que a Justiça exija um plano de contingência do governo federal para evitar que casos se repitam. A situação indica uma falta de planejamento do Ministério da Saúde que não se antecipa a possíveis problemas.

Prevenção

Manter uma rotina de limpeza semanal nos possíveis locais de reprodução do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya é importante no processo de eliminação do Aedes aegypti. Para auxiliar nesse processo, utilize a lista elaborada pela Secretaria de Sáude (Sesa)  imprima o checklist e deixe pregado em um local visível em casa. Marque a data em que irá realizar as tarefas como limpeza da calha, vasos de plantas, caixas d’água, entre outros. Quinze minutos por semana é suficiente para realizar os cuidados.

Confira o boletim epidemiológico de 2019 e o primeiro de 2020:

– 2019: https://mosquito.saude.es.gov.br/Not%C3%ADcia/chegada-das-chuvas-preocupa-para-aumento-de-casos-de-dengue-2

 – 2020: https://mosquito.saude.es.gov.br/Not%C3%ADcia/faca-um-checklist-semanal-em-casa-e-acabe-com-o-aedes-aegypti

Com informações de A Gazeta-ES; G1; Estadão; Sesa-ES

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =