Entidades manifestam apoio aos servidores e repúdio à diretoria do Incaper

Incaper trai servidores e encaminha à Casagrande atualização de tabela apenas para pesquisadores
30 de agosto de 2021
Luta contra Reforma Administrativa e defesa dos serviços públicos no Grito dos Excluídos
2 de setembro de 2021

Após a repercussão da decisão da diretoria do Incaper em levar ao governador Casagrande o pleito de valorização salarial apenas dos pesquisadores, diversas entidades emitiram nota de apoio ao trabalho dos demais servidores e a necessidade de valorização de todo funcionalismo do Instituto.

Os servidores do Incaper também estarão reunidos em Assembleia Geral Extraordinária no próximo dia 02 de setembro, às 9h, no Ginásio Paulo Pimenta, na Sesport, e online, onde serão discutidos a atitude da direção do Incaper e as devidas deliberações quanto o andamento do Concurso Público do Incaper; a reestruturação de Cargos e Carreiras e Tabela Salarial, dentre outros assuntos. Confira aqui o edital

A Associação dos Engenheiros Florestais do Espírito Santo – AEFES comenta que “apesar de justa a reivindicação de melhoria salarial, a decisão de beneficiar apenas uma categoria é desrespeitosa, arbitrária, desumana e foge dos princípios de luta quanto a valorização dos profissionais da Engenharia Florestal Capixaba, bem como de todos os profissionais que colaboram com a AEFES”.

A AEFES lembra que as atividades promovidas em parceria com o Incaper envolve os “profissionais da pesquisa, atividades de suporte, assistência técnica e extensão rural. Sendo necessário, portanto, a valorização da coletividade”.

A atuação dos demais profissionais também é reforçada pela nota da Associação dos Servidores do Incaper, que entre outros pontos destaca que “de acordo com o Relatório de Gestão do Incaper relativo ao ano de 2019 o Instituto possui 533 servidores ativos, sendo que em relação à escolaridade dos mesmos, 57% (304) possuem nível superior, 30,21% (161) possuem nível médio e 12,76% (68) possuem nível fundamental. Do total de servidores que possuem nível superior de escolaridade, 43,09% (131) possuem apenas graduação, 26,97% (82) possuem especialização, 18,42% (56) possuem mestrado e 11,51% (35) possuem doutorado”.

Porém “a solicitação da diretoria do Incaper atenderia apenas aos atuais 43 pesquisadores, cerca de 8,06% do quadro de servidores do Incaper. Em outras palavras, percebemos que foram desconsiderados 91,93% (490) dos servidores do Incaper.”

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Guarapari também emitiu nota reforçando “a importância do Incaper para o fortalecimento da agricultura familiar do ES, seja por meio dos serviços de Pesquisa, Atividades de Suporte, Assistência Técnica e Extensão Rural. Diante do exposto, solicitamos encarecidamente as autoridades competentes que promovam salários e condições dignas de trabalho a todas as categorias do Incaper. E reforçamos nosso repúdio a qualquer atitude contrária.”

Outra entidade que se manifestou é o Sindicato Rural de Pancas que destaca a importância do Incaper para o desenvolvimento agropecuário capixaba em seus 65 anos acreditando que “todos os setores do mesmo são vitais para sua existência e evolução. As áreas de pesquisa, assistência técnica e extensão rural, são de extrema importância e complementares para o cumprimento da missão do órgão”. A nota ainda avalia que “um ofício pleiteando reajuste para apenas uma categoria interna é no mínimo digno de repúdio, pois a partir do momento que o diretor presidente é indicado, o mesmo representa todas as categorias do órgão. E a militância para uma única categoria ou em causa própria não são características de um bom líder e gestor”.

ESCLARECIMENTO

A Associação dos Servidores do Incaper- Assin, esclarece um ponto em relação ao trecho citado na matéria publicada em conjunto com o Sindipúblicos, sobre o quantitativo de menos de 30% das pesquisas do Estado serem resultados do Incaper.

“Em nenhum momento estamos desqualificando o trabalho da pesquisa e dos pesquisadores da nossa Instituição. Muito pelo contrário, essa quantidade reflete o quanto o Estado deve investir cada vez mais no campo da pesquisa, pois a prova da qualidade que nossos profissionais desenvolvem, repercute em todos os âmbitos da agricultura capixaba, e muitas vezes fora do estado, e os balanços sociais que o Incaper tem apresentado à sociedade sempre mostrou essa qualidade e quantidade de valores e tecnologias.

Hoje em dia, o dado de menos de 45 pesquisadores no quadro do Incaper deve alertar ao Governo do Estado que seu compromisso com a agricultura familiar em fomentar e de investimento deve ser iniciado mais que imediatamente, principalmente no que tange reestruturação dos cargos e salários dos servidores do Incaper, e aumento no quadro de pessoal com urgência.

E é lógico que o pedido do percentual na classe IV, ultima instância na avaliação de titulação para os doutores em pesquisa do nosso Instituto citado no oficio, não pode ser desconsiderado para o pleito que os pesquisadores reivindicam, mas a construção desse pleito deve passar por instâncias, prerrogativas de uma comissão representativa onde são envolvidas Assin e Sindicato, que pensam num todo, que analisam em conjunto com os pesquisadores, assim como são analisados os outros cargos do Incaper, cada percentual, cada vírgula e cada ponto. Essa construção tem que ser em conjunto.

A valorização de todos os servidores não é só honra ao mérito, não é só elogios. O incentivo está num pacote, em que a remuneração é um fator predominante para a qualidade de vida, que é um direito de todos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 8 =