Em primeiro dia de Congresso, servidores relembram 30 anos de luta

O primeiro dia do VI Congresso do Sindipúblicos foi especial para relembrar os 30 anos em defesa dos servidores, a atuação contra a corrupção e pela qualidade nos serviços públicos, o que fez se destacar entre as entidades que, além de lutar por valorização e melhorias nas condições de trabalho para os servidores, sempre esteve atento às causas sociais em benefício de toda população usuária dos serviços públicos.

Durante a abertura, o presidente Tadeu Guerzet lembrou que “apenas com a união dos servidores, em conjunto com a sociedade, que vamos enfrentar o desmonte dos nossos direitos e das pautas postas que atingem os serviços públicos e toda sociedade. Precisamos superar algumas desavenças e unir as forças contra os gestores e o mercado econômico que estão todos contra nós”

Na ocasião, foram homenageados o ex-presidente Haylson de Oliveira e a servidora, ex-membro do Conselho Fiscal Marcilene Guimarães, que estiveram na luta sindical antes mesmo da unificação do Siseades com o Sindipúblicos e sempre foram atuantes.

Haylson lembrou que os mais jovens devem sempre “pensar na responsabilidade de sua atuação no sindicato, que tem 6 mil sindicalizados em média e confia em nossa atuação”. Já Marcilene Guimarães destacou a atuação no Siseades e a importância da união dos sindicatos.

Posteriormente foi aberta a palavra aos sindicalizados presentes que destacaram histórias e lutas vivenciadas junto ao Sindipúblicos. Mauro Ribeiro, servidor da Ceturb avaliou que “apesar de algumas perdas, tivemos mais vitórias do que derrotas. Temos que atuar sempre pelo fortalecimento da nossa entidade”. Ponto também destacado pelo servidor do Incaper, Anemir Lopes de Oliveira. “Fico muito chateado quando atacam o sindicato. Agora mesmo foram na televisão culpar os servidores e os sindicatos pela previdência. Eles têm é medo dos sindicatos, que junto com as associações defendem os servidores. Falo sempre com os jovens, vocês tem que ir para os sindicatos, só eles nos defendem de verdade”.

Outro que também lembrou da sua atuação sindical foi o recém-aposentado pela saúde, ex-deputado estadual e ex-prefeito de Cachoeiro de Itapemirim, Carlos Castiglione. “Estive antes da fundação. Quando ainda era associação ligada à saúde mas logo depois me afastei ao ser eleito. Sempre defendi e defendo os servidores. Agora estou retornando para continuar contribuindo na luta sindical”.

Já Marcelo Duarte, recém aposentado do Idaf, lembrou das dificuldades do sindicato em lutar pelos servidores e principalmente em serem atendidos pelos gestores. “Precisamos colocar o dedo na ferida. Mas fomos também traídos. Demos nosso voto a muitos políticos, inclusive do PT. Porém, quando o partido chegou ao poder se aliou até mesmo quem sempre foi contra os servidores, como no governo Hartung. Precisamos lembrar nossas vitórias, mas também nossas dificuldades e decepções. Nosso companheiro Haylson, inclusive, teve a ombridade de se desfiliar do partido quando esse se aliou à um governo contrário as pautas dos servidores e sociais.”

Conforme previsto, foi separado um tempo para a análise de conjuntura estadual e nacional e os desafios que os servidores estão enfrentando. Para isso foi convidado o presidente da Pública, Central do Servidor, José Gozze, que reforçou a importância da união da categoria na luta pelos direitos dos servidores e da sociedade. E destacou os graves prejuízos da Reforma da Previdência à sociedade. “Essa Reforma da Previdência não tem remendo. Tudo que ela propõe é contra os servidores e os trabalhadores brasileiros. Não precisamos de reforma, precisamos de auditar a dívida pública e tomar outras medidas econômicas, como já denunciado e estudado por grandes especialistas como Maria Fatorelli, que todos devem ler seus livros e divulgar os vídeos dela que desmonta os argumentos do governo.” Ainda no primeiro dia, foi aprovado, por maioria dos votos dos delegados, o regimento interno do VI Congresso do Sindipúblicos.

No segundo dia do evento os delegados irão se dividir em Grupos de Trabalho em que serão discutidos os principais temas que afetam a atuação sindical propondo ações a serem desenvolvidas e votadas no último dia na plenária final.