• Home
  • Notícias
  • Matérias
  • Em ano eleitoral, Hartung libera secretários e diretores de órgãos para gastarem verbas públicas

Em ano eleitoral, Hartung libera secretários e diretores de órgãos para gastarem verbas públicas

 

 

 

 

 

Em pleno ano eleitoral, o governador Paulo Hartung reuniu o secretariado e diretores de órgãos e de empresas públicas na manhã desta terça-feira (2), para assinar um decreto em que transfere para cada ordenador de despesa a responsabilidade pelos gastos.
Após três anos sem investir em serviços públicos, o governador abre os cofres para seus gestores gastarem os valores economizados às custas dos servidores e de suas famílias, que estão sem reajuste.

A falta de valorização dos servidores forçou inclusive a PM capixaba a entrar em greve. Mesmo assim, o governo continuou sua política de cortes causando uma grave crise na segurança que resultou em dezenas de mortes em poucos dias, com índices de violências assustadores até os dias atuais.

A partir de agora, o controle de custeio passa a ser descentralizado e feito pelos próprios órgãos, secretarias e empresas públicas. Na prática, cada ordenador será responsável direto pelas despesas geradas, sem a necessidade de um órgão centralizador de gastos, papel até então do Comitê de Controle e Redução de Gastos Públicos.

O decreto de Hartung segue no mesmo tom em que ele anunciou os investimentos de R$ 1 bilhão para este ano. Os recursos fazem parte da estratégia eleitoral do governador e contraria a política de contenção adotada nos três primeiros anos de mandato.

O total representa o dobro do investido em 2017. Para justificar a bolada que será utilizada para obras em ano eleitoral, o governador repete o discurso de “situação equilibrada” nas finanças do Estado. “Estamos flexibilizando em função de termos um pouco mais de oxigênio [financeiro]. É um decreto mais leve, flexível e que atribui a responsabilidade dos gastos a cada órgão”, argumentou Hartung.

É preciso que a sociedade cobre do governo os investimentos necessários não realizados nos últimos anos que ocasionou o sucateamento dos serviços públicos e o congelamento dos salários dos servidores atingindo milhares de famílias. Neste ano eleitoral é necessário  que os eleitores fiquem atentos e não votem em candidatos oportunistas que utilizam de dinheiro público para promoção pessoal.
Com informações de Século Diário