Doação de bilionário a time de futebol reacende discussão sobre Imposto sobre grandes fortunas

Governo Guedes Bolsonaro quer congelar salário de servidores por três anos
19 de fevereiro de 2021
Após volta às aulas presenciais, ES registra 1491 novos casos de crianças e adolescentes com Covid-19
24 de fevereiro de 2021

A notícia sobre a doação de R$1 milhão do bilionário brasileiro Elusmar Maggi Scheffer ao Internacional trouxe à tona a importância da regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF).

Na atual conjuntura do país, com gastos elevados no combate à pandemia e à pobreza, especialistas reforçam a necessidade de uma Reforma Tributária que corrija as distorções em que os milionários no país praticamente não pagam impostos, visto que a tributação brasileira é baseada no consumo e não na renda.

Tanto quem tem renda de um milhão por mês ou quem recebe um salario mínimo pagam o mesmo percentual de imposto quando compra um pacote de arroz por exemplo. Mesmo sendo adotado em vários países como França, Suíça, Argentina e Noruega, apesar do IGF estar descrito no artigo Art. 153 da Constituição Federal, até o momento segue sem regulamentação.

Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:
VII – grandes fortunas, nos termos de lei complementar

No lugar disso, a equipe econômica do governo Guedes Bolsonaro insiste em perseguir os servidores públicos fazendo com que esses ‘paguem’ a conta da ingerência do governo em administrar a crise sanitária e econômica.

Recentemente o governo tenta impor a liberação de novas parcelas do auxílio-emergencial ao congelamento do salário dos servidores por mais três anos e até mesmo taxar em mais 14% os servidores. Na prática, o governo Bolsonaro estaria confiscando parte da renda dos servidores, muitos ganhando já abaixo do mercado.

“Estamos com nossos salários já congelados, Casagrande prometeu recuperar nossa renda e pelo contrário, aumentou a alíquota na Reforma da Previdência. Ainda querem nos sobretaxar. Não é justo os servidores pagarem a conta da ineficiência administrativa dos governos. Enquanto descontam 14% de nossos salários que estão com 30% de perdas, vemos bilionários doando milhões sendo que deveria estar contribuindo diretamente ao país” comenta Tadeu Guerzet, presidente do Sindipúblicos.

Atualmente existem alguns projetos no Congresso sobre o assunto, um deles é o PLC 215/20 que propõe alíquota de 2,5% sobre o valor dos bens de pessoas físicas ou jurídicas que tenham patrimônio líquido superior a R$ 50 milhões.

As propostas são baseadas em sugestões de várias entidades de auditores fiscais. A ideia é taxar com alíquotas de 1% a 3%, por ano, o patrimônio superior a R$ 20 milhões. A arrecadação prevista é de R$ 40 bilhões e atingiria 0,1% dos contribuintes. Celso Sabino afirma que a tributação é importante para reduzir a desigualdade social, mas ele é otimista em relação à recuperação da economia.

Fonte: UOL, Agência Câmara de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 10 =