Deputados ignoram a sociedade e elegem conselheiro do TC indicado por Hartung

Durante sessão ordinária da Assembleia Legislativa na tarde desta terça-feira (07), os deputados estaduais elegeram por 27 votos favoráveis e três contrários o colega parlamentar Rodrigo Coelho (PDT), como novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Apenas Euclério Sampaio (PSDC), Sérgio Majeski (PSB) e Theodorico Ferraço (DEM) divergiram dos demais.

O deputado Sérgio Majeski chegou inclusive a questionar a falta de transparência e a celeridade com que o processo de escolha do novo conselheiro tramitou na Ales. Majeski denunciou também que sequer os currículos de todos os candidatos foram disponibilizados e nem mesmo foram sabatinados, impedindo assim a sociedade de conhecerem efetivamente as propostas de cada, como ocorreu nos pleitos anteriores.

Rodrigo Coelho está em seu segundo mandato como deputado estadual, foi líder do governo Hartung na Ales, é formado em Ciências Contábeis com pós-graduação em Gestão Pública. Foi secretário municipal em Cachoeiro de Itapemirim e secretário de Estado de Ação Social e Direitos Humanos.Durante sua gestão como secretário municipal o próprio Tribunal de Contas rejeitou suas contas conforme consta no Acórdão TC-1333/2017 – Processo TC: 6811/2010 (Apenso: Processo TC-7157/2010):

“1.2.2 Ausência de Fiscalização Base Legal: Art. 67, caput e §1º da Lei 8.666/93 e
Princípio da Segregação de Funções/Princípio da Moralidade, art. 37, caput da CF/88.
Responsáveis: Carlos R. Casteglione Dias, Solismara de Oliveira Tosato Delarmelina,
Rodrigo Coelho do Carmo, Genildo Coelho Hautequestt Filho, Ricardo Coelho Lima,
Cristiane Resende Fagundes Paris e Anderson Canzian Moraes

1.3.5. Pela prática dos atos ilícitos presentificados no subitem 2.4 (ausência de
fiscalização) da ITC 01621/2017-6, rejeitar as razões de justificativas apresentadas
pelos senhores Carlos Roberto Casteglione Dias (Prefeito 2009-2012), Cristiane
Resende Fagundes Paris (Secretária Municipal de Arte e Cultura), Solismara de Oliveira
Tosato Delarmelina (Secretária Mun. Governo), Rodrigo Coelho do Carmo (Secretário
Mun. Governo), Genildo Coelho Hautequestt Filho (Secretário Mun. Governo), Ricardo
Coelho Lima (Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico) e Andesson Canzian
Moraes (Fiscal do contrato), sem imputar-lhes sanção”;

Além de escolherem um deputado que já teve contas rejeitadas pelo próprio TC, e não disponibilizarem à sociedade os currículos comprovando que os requisitos para o cargo foram cumpridos, como a exigência de 10 anos no serviço público, entre outros, os deputados também ignoraram a reivindicação do movimento social que formaram uma lista tríplice onde foram indicados os auditores Alexander Binda Alves, Holdar de Barros Fiqueira Neto e Odilson Barbosa Souza Junior que apresentavam um currículo técnico mais condizente com o cargo a ser preenchido.

A vaga a ser preenchida no Tribunal é a do conselheiro José Antonio Pimentel, que pediu aposentadoria antecipada após se tornar réu em ação penal no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A eleição na tarde desta terça-feira mais uma vez mostra a submissão dos parlamentares ao governo e coloca em dúvida a credibilidade e independência para cumprirem o dever constitucional de fiscalizar o executivo. Por isso é de fundamental importância que os servidores e toda população se mobilize para eliminar políticos que agem contrários as necessidades da sociedade para se perpetuarem no poder.

 

 

  • O remédio só tem efeito em 7 de outubro… Até lá, o povo esquecerá da doença. E a cada esquecimento o quadro só piora no 2º estado produtor de petróleo e gás; 1º produtor de celulose e granito…e as necessidades do povo esquecidas na UTI.
    Ou juntamos todos e todas, cada trabalhador/a na sua comunidade, no seu buteco, na sua igreja, na sua academia, em seus bairros e municípios estudando a política posta com vistas a não reeleger os produtores de absurdos; alguns colecionando mandatos, outros ainda na primeira viagem, mas já assimilados os vícios, ou esperamos outubro de 2022; se é que teremos condição de lembrar. Vai que o Brasil, mesmo sob escombros ganhe o hexa! O povo, historicamente aguardará por 2026. Isso se o Nibiru não surgir antes…