Defensor de Temer e suas reformas, Lelo não consegue se reeleger

 

Entre os parlamentares que contribuíram para a sustentação do governo Temer e da aprovação das leis que retiraram direitos dos trabalhadores prejudicando toda a sociedade esteve Lelo Coimbra (MDB).

Fiel durante todo o governo, Lelo Coimbra por inúmeras vezes defendeu o presidente nos escândalos de corrupção, exaltando as propostas da Reforma da Previdência e articulando a aprovação da Reforma Trabalhista, PEC do Teto dos Gastos e a Terceirização.

Todo esse apoio à Temer saiu caro para os capixabas. Além de ter votado pela retirada de direitos da sociedade, Lelo gastou em seu mandato (até julho/2018) R$1,5 milhão em cota parlamentar, ficando atrás apenas de Manato que gastou R$1,6 milhão.

Essa fidelidade a Temer garantiu que fosse o líder da maioria do governo na Câmara. E agora, garantiu sua saída do Congresso rejeitado pelos capixabas obtendo apenas 2,73% dos votos, bem aquém para um político que já chegou a ser um dos mais votados.

A renovação dos parlamentares demonstra que a sociedade não aceita mais projetos que cortem direitos. É preciso atuar em prol da sociedade propondo projetos que melhorem a qualidade de vida, o que fundamentalmente só se faz fortalecendo os serviços públicos (que foram ‘destruídos’ pela PEC do Teto apoiada por Lelo.

 

Apesar da rejeição nas urnas, é preciso que a sociedade fique vigilante para que os governos estadual e federal não coloquem Lelo e demais políticos da sua linha de atuação em cargos executivos, uma vez que a sociedade o rejeitou nas urnas.

A mudança efetiva só irá acontecer com a sociedade fiscalizando e cobrando dos candidatos eleitos para que cumpram as determinações legais e caso não governem pela população, que não sejam reeleitos.