Comissionados presos no Detran reforçam prejuízos de apadrinhamentos políticos

Recentemente uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) desarticulou uma quadrilha que agia no Departamento de Trânsito do Espírito Santo (Detran) tendo a participação direta de três servidores comissionados.

Conforme já denunciado, o Detran é uma das autarquias com o maior número de comissionados no Estado. Fato que demonstra que esse excessivo número contribui para que o Estado perca o controle da fiscalização, transparência e eficiência no serviço público.

Sem nenhum tipo de seleção pública, transparente e que garanta a qualidade de suas atuações, a maior parte dos comissionados são indicações políticas-partidárias. E sem o devido controle do Estado, alguns se envolvem em casos de corrupção como o noticiado recentemente.

Lamentavelmente, a imprensa capixaba não distingue os comissionados, que são cargos de indicação política, aos efetivos, que atuam após rígidos concursos públicos. Fazendo assim a sociedade culpar os servidores efetivos por fatos cometidos por profissionais apadrinhados políticos.

É preciso que o Estado reveja o exagerado número de comissionados e cumpra a legislação, que determina que os cargos em comissão sejam exceção para chefia, direção ou assessoramento. O Sindipúblicos tem atuado encaminhando representação aos órgãos competentes para que os cargos públicos sejam ocupados devidamente por meio de concursos.

 

  • Esio Cavalcante

    Essa é a turma de sanguessuga dos políticos amigo do governo, muitos além de serem corruptos ainda empregam sua árvore genealógica, uma prova de que poucos estão preocupados com a coisa pública e com o povo.