Casagrande esclarece sobre reposição da inflação e concursos em 2019

Mesmo antes de se eleger, o Governador Casagrande em reunião com servidores prometeu que seu governo seria diferente do anterior no que se refere ao diálogo com as entidades representativas. O futuro governador também garantiu que qualquer pauta que venha prejudicar os servidores seria discutida em reunião conjunta para apresentar e comprovar as reais condições financeiras do estado.

Na ocasião, foi pontuado que, antes de realizar qualquer corte ou negar a recomposição salarial, seriam demonstradas outras formas de economia, como é o caso das isenções fiscais sem nenhuma contrapartida para a sociedade, cortes de comissionados e despesas supérfluas do governo, entre outras. Atualmente, os servidores públicos, só nos último governo Hartung, acumulou perdas reais dos seus salários em mais de 25%.

Tendo em vista o pronunciamento de Renato Casagrande no último dia 22 de novembro ao dizer à imprensa que não poderia garantir o reajuste e concursos públicos para 2019 o Sindipublicos buscou esclarecimentos do novo governo eleito.

Em resposta aos nossos questionamentos, Casagrande afirmou que “o Governo estará sempre aberto ao diálogo. E manterá conversas permanentes com os servidores. O momento é de cautela e responsabilidade com as contas públicas. Não é possível garantirmos agora que o reajuste e os concursos públicos previstos no Orçamento de 2019, enviado à Assembleia Legislativa pela atual administração, serão efetivados. Precisamos primeiro saber o que de fato vamos herdar. Ou seja, qual é a real situação financeira do Estado. Nossa equipe de transição está avaliando a peça orçamentária e apresentaremos as alterações que forem necessárias para a garantia do equilíbrio financeiro da máquina. É imprescindível trabalharmos com os dois pés fincados no chão, atentos aos cenários nacional e estadual. Se a economia apresentar sinais positivos, vamos reavaliar o quadro, redefinindo metas e prioridades”.

Para que o novo governo possa de fato avançar no atendimento às demandas da sociedade, é primordial que o governador garanta o diálogo permanente com os servidores corrigindo as falhas das últimas gestões que ignoraram as necessidades do funcionalismo público e da sociedade agravando o sucateamento nas mais diversas áreas, como saúde, segurança e educação. Reforçamos ainda a necessidade de transparência na gestão das contas públicas. Entendemos que é papel do governador defender um Estado forte, que só se faz com servidores valorizados e com órgãos e autarquias devidamente estruturados.

Visto que o governador eleito já tem se reunido com diversos setores da economia, o Sindipúblicos entende que é de suma importância que seja realizada uma reunião para abertura oficial do diálogo com os servidores.

 

  • Jeider M Damm

    Cheira a mesma balela que vimos tanto durante este último governo Hartung, quanto seu último governo, anterior ao atual, quando também tivemos perdas com reajustes abaixo da inflação ou ausência total deste. É inadmissível esses gestores enrolando a Constituição Federal, guardando no armário do descaso não cumprindo-a. Enquanto isso quem bate palmas é o Banestes, a quem temos que recorrer com consignações recorrentes pra salvar o pagamento de contas cotidianas, por conta desses falsos “salvamentos da saúde dos cofres públicos”, enquanto nos cobram bons serviços públicos, o que temos feito regularmente, apesar de sermos usados como suporte aos caixas do governo.
    Que o Sindipúblicos não se deixe enganar com essas ladaínhas que entra e sai governo continuam bem vivas, enquanto dinheiro jorra por outros escapes.