Autarquias são notificadas pelo Sindicato para proteger seus servidores

O Sindipúblicos encaminhou uma notificação a cada uma das autarquias estaduais cobrando que adotem medidas que contribua para preservar a saúde dos servidores solicitando que adotem as medidas que estiverem a seu alcance para permitir a adoção de trabalho remoto e restringir a prestação de serviços não essenciais, de modo que se diminua o fluxo de pessoas e, consequentemente, o risco de contaminação.

Também orientamos a liberação dos profissionais do grupo de risco, entre esses os idosos, além de cobrar o reforço na higienização e disponibilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs) no controle a proliferação do Coronavirus.

Segue abaixo ofício completo:

Excelentíssima Chefia de Autarquia,

A pandemia de COVID-19 pela qual passamos tem gerado um grande esforço de toda a população para que se adotem medidas e práticas que impeçam a transmissão do vírus causador da infecção.

O governo do Estado do Espírito Santo, por meio de sua Sala de Situação de Emergência em Saúde Pública, tem determinado restrições ao funcionamento de espaços e eventos que reúnam pessoas.

Ocorre, no entanto, que servidores e o público por esses atendidos têm relatado que, apesar de restringir a atuação da iniciativa privada e cobrar a colaboração de toda a sociedade para que se reduzam as formas de contágio, o Governo do Estado não adota as práticas que prega e recomenda.

Ao mesmo tempo em que determina o fechamento de cinemas e teatros, proíbe a realização de eventos e restringe acesso a supermercados e bancos, o Governo mantém seus servidores em contato direto com o público, permite que se mantenham filas em repartições e mantém exigências burocráticas para que os integrantes de grupo de risco de contágio agravado possam entrar em regime de trabalho remoto.

Diante disso, o Sindipúblicos, em seu dever de zelar pela integridade dos membros de sua base, pede que essa autarquia adote as medidas que estiverem a seu alcance para permitir a adoção de trabalho remoto e restringir a prestação de serviços não essenciais, de modo que se diminua o fluxo de pessoas e, consequentemente, se diminua o risco de contaminação.

Chamamos a atenção para a necessidade de isolamento de todas as pessoas maiores de 60 anos, que possuem grande risco de agravamento de saúde e, para não fazer uso de eufemismos, de morte em caso de contágio. Manter essas pessoas em sua rotina diária de trabalho é desumano.

Evitar contato entre pessoas é apontado como essencial para controle da pandemia e redução de riscos. Os órgãos públicos precisam se somar à população em seus esforços e ser exemplo na adoção de medidas que se aponta como necessárias.

Ademais, reforça-se a necessidade de adoção, e de garantia de disponibilização dos produtos e equipamentos necessários para tanto, de rígidas rotinas de higienização que o momento exige que sejam integradas às práticas cotidianas.

Segue anexa à presente comunicação, cópia de ofício enviado ao Governador e à Secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos, no qual se pede a observação das medidas necessárias para a preservação da saúde de servidores e da população por esses atendida.

São os termo em que se pede a colaboração dessa chefia para que se adotem as medidas urgentes e necessárias diante do grave cenário pelo qual passamos.