Aumento da tarifa do Transcol eleva perdas salariais de servidores

As reclamações continuam as mesmas: demora, superlotação, calor, falta de manutenção… No entanto, enquanto os passageiros continuam criticando a qualidade do sistema público de transporte capixaba, o governo liberou, por meio do Conselho Tarifário, o aumento da tarifa em 4%.

Vale destacar que além da tarifa, as empresas de transporte público do Transcol receberam, só em 2019, primeiro ano de governo Casagrande, mais de R$147 milhões em subsídios. Um valor 62% maior que os 90 milhões liberados a elas em 2018 por Hartung.

Mesmo com tanto dinheiro recebido por meio de subsídios e das tarifas, os passageiros continuam denunciando a má qualidade do transporte metropolitano.

As viagens também vão ‘doer’ no bolso, principalmente dos servidores públicos, que sequer recebem vale transporte para se deslocarem e têm que tirar esse valor, integralmente, de suas remunerações, que estão com uma defasagem acima de 28%.

O aumento na passagem vem assim penalizar ainda mais os servidores públicos que tiveram apenas 3,5% de recomposição salarial, sendo que 3% de seus salários serão corrompidos pela nova alíquota da previdência.

Com isso, somados os aumentos do vale transporte e da alíquota, os servidores terão uma drástica redução em seus salários em 2020, contradizendo a promessa de Casagrande em recompor as perdas salariais durante o seu governo.
O Sindipúblicos reforça que estará na luta para que o governador cumpra sua palavra e recomponha as perdas salariais anuais, bem como defende a concessão de vale transporte para os servidores se deslocarem para seus locais de trabalho.