Artigo – Entenda o que é Assédio moral no trabalho

A maioria dos trabalhadores, tanto da iniciativa pública ou privada, já enfrentou situações desagradáveis junto à sua chefia. No entanto, existem vários pressupostos para que fatos conflitantes sejam caracterizados como assédio moral.

Para ser considerado assédio é necessário que o fato se repita sistematicamente; seja intencional, por exemplo, forçar o outro a abrir mão do emprego; ser direcionado à uma pessoa apenas de um determinado grupo; ter temporalidade, durante a jornada por dias ou meses. Também analisa-se como assédio a degradação deliberada das condições de trabalho.

Em resumo, um ato isolado de humilhação não é assédio moral. Esse pressupõe:

  • repetição sistemática;
  • intencionalidade (forçar o outro a abrir mão do emprego);
  • direcionalidade (uma pessoa do grupo é escolhida como bode expiatório);
  • temporalidade (durante a jornada, por dias e meses);
  • degradação deliberada das condições de trabalho

Ou seja, assédio moral no trabalho é a exposição dos trabalhadores a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e sem simetrias, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, podendo levar até mesmo a forçar de desistir do emprego.

Caracteriza-se ainda pela degradação deliberada das condições de trabalho em que prevalecem atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados, constituindo uma experiência subjetiva que acarreta prejuízos práticos e emocionais para o trabalhador e a organização.

Entre as práticas está a de isolar a vitima dos demais colegas de trabalho, sem explicações, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante dos demais. Estes, por medo do desemprego e a vergonha de serem também humilhados associado ao estímulo constante à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, frequentemente, reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o pacto da tolerância e do silêncio no coletivo, enquanto a vítima vai gradativamente se desestabilizando e fragilizando, perdendo sua autoestima.

A humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a MORTE, constituindo um risco invisível, porém concreto, nas relações e condições de trabalho.

Estratégias do agressor

Entre as principais estratégias estão:

  • Escolher a vítima e isolar do grupo;
  • Impedir de se expressar e não explicar o porquê;
  • Fragilizar, ridicularizar, inferiorizar, menosprezar em frente aos pares;
  • Culpabilizar/responsabilizar publicamente, podendo os comentários de sua incapacidade invadir, inclusive, o espaço familiar; desestabilizar emocional e profissionalmente.

Com isso, a vítima gradativamente vai perdendo simultaneamente sua autoconfiança e o interesse pelo trabalho, desencadeando ou agravando doenças pré-existentes). A destruição da vítima engloba também a vigilância acentuada e constante; isolamento familiar e de amigos, passando muitas vezes a usar drogas, principalmente o álcool.

Se você é testemunha de cenas de humilhação no trabalho, supere seu medo, seja solidário com seu colega. Você poderá ser “a próxima vítima” e nesta hora o apoio dos seus colegas também será precioso. Não esqueça que o medo reforça o poder do agressor!

Em caso de assédio,  não tenha receio, denuncie e entre em contato com o Sindipúblicos e marque um atendimento jurídico para que seja dado o devido acompanhamento do processo.

Fonte: Sindicato Nacional dos Aeroportuários (SINA)

Comentários

  1. O Assédio Moral é como um câncer. Seu efeito não fica restrito ao ambiente de trabalho, por onde quer que você vá seus efeitos acompanham você. Não adianta cortar um pedacinho do fígado, pâncreas pensando se libertar. Ele arromba a porta de seu lar, invadindo sua relação familiar. E até no melhor de seu sono, ele surge na forma de pesadelo.
    Outro efeito devastador é a ausência de solidariedade de colegas que presenciam os indícios, levando o assediado ao isolamento, como se esse fosse transmissor da terrível lepra à época da idade média, e que um simples toque levaria ao contágio…
    Assédio não faz adoecer só você. Sua família também se torna vítima…

    1. Gabi Zucoloto disse:

      Estou passando por isso, minha vida está cada vez mais arruinada, o assédio nos fere a alma, ainda mais quando após vem as defamacoes, dos seus próprios colegas de trabalho.

      1. Gabi Zucoloto disse:

        Mas me calar eu não vou, pena q a justiça do Brasil será muito lenta mas correrei atrás dos meus direitos.

        1. Gabi Zucoloto disse:

          E o mais engraçado q o assédio vem de pessoas estudadas e q falam q se vc correr atrás não vai dar em nada, nunca passou nem em uma seleção para ocupar o cargo sempre preço de ou de nomeação politica e se acha dono do cargo q ocupa.

          1. Não ligue para a letargia alheia. Foque você, seu valor. Busque cuidar da sua saúde. É difícil, mas tente se desligar do ambiente ao término da jornada. O Resto é entregar pra Deus e confiar que a justiça virá.