• Home
  • Notícias
  • Matérias
  • Após denúncia no MPT, Fames regulariza condições de trabalho e prevenção à incêndio

Após denúncia no MPT, Fames regulariza condições de trabalho e prevenção à incêndio

A Faculdade de Música do Espírito Santo regularizou este ano os problemas denunciados pelo Sindipúblicos  junto ao Ministério Público do Trabalho em 2015 sanando as irregularidades levantadas que colocavam em risco a saúde e segurança dos servidores, alunos e demais usuários da Fames.

Entre essas esteve a capacitação de trabalhadores para “intervir em instalações elétricas mediante treinamento específico sobre os riscos decorrentes do emprego da energia elétrica e as principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas; adotadas todas as medidas necessárias para a prevenção de incêndio conquistando o Alvará de Licença Definitivo pelo Corpo de Bombeiros; a troca de extintores com recarga vencida; regularização da operabilidade dos elevadores; bem como reforma no refeitório garantindo condições adequadas para alimentação dos servidores.

“É lamentável termos que ir para a justiça para garantir as condições mínimas de trabalho. Isso mostra o quanto o Estado é desrespeitoso com seus servidores e a população. Continuaremos sempre lutando para que se garanta saúde e segurança aos trabalhadores” reforça Tadeu Guerzet, presidente do Sindipúblicos.

Dezenas de vistorias já foram realizadas pelo Sindipúblicos e todas as irregularidades encaminhadas aos órgãos de controle. Existem casos graves de risco de morte aos servidores e usuários dos serviços públicos, como a falta de escada de incêndio e porta corta-fogo no Ed. Fábio Ruschi. Entre os locais vistoriados, estão as fazendas do Incaper, os terminais rodoviários da Ceturb, Ciretrans que em sua maioria também apresentaram problemas a serem solucionados.

O Sindipúblicos realiza um trabalho contínuo em cobrança ao governo do Estado para que regularize os órgãos públicos oferecendo as devidas condições de trabalho, saúde e segurança. Além de denúncia ao Ministério Público do Trabalho, o Sindicato também protocolou ação civil pública que tramita responsabilizando o Estado pelas más condições de trabalho.