Ano Novo, salário velho….até quando Casagrande?

Nova diretoria toma posse
30 de dezembro de 2021
Quatro anos da Reforma Trabalhista: desemprego, informalidade e precarização
6 de janeiro de 2022

Servidores de vários estados e municípios viraram o ano com a notícia do índice de  recomposição inflacionária de seus salários, abono e reajustes em seus auxílios-alimentação.

Não foi o caso dos servidores do Estado do Espírito Santo, em que a única certeza que possuem até o momento do governo Casagrande são promessas não cumpridas e a falta de diálogo beirando o autoritarismo que ele diz tanto combater mas na prática se iguala a de governantes autoritários.

São mais de 55% de defasagem, tendo o governo Casagrande só contribuído para as perdas do poder de compra. Os únicos 3,5% concedidos no primeiro ano do mandato Casagrande ele mesmo tirou ao aumentar o desconto previdenciário para 14% pra todos, inclusive sem considerar as diferenças salariais e os impactos em cada família. Mesmo podendo ter um aumento escalonado, Casagrande preferiu igualar em 14% prejudicando ainda mais os servidores que recebem menos.

Depois de três anos de desvalorização, os servidores esperam que este 2022 o governador se redima garantindo no mínimo a inflação do último período de 2019 a 2022.

Mas para isso é preciso que os servidores estejam cada vez mais unidos e atendam às convocações do Sindipúblicos para os atos e ações presenciais ou virtuais!

Não há conquista sem luta! Que 2022 seja um ano de recuperação dos nossos direitos!

1 Comment

  1. Sangra Muito Ganha Pouco disse:

    O funcionalismo publico sempre será sofredor e perdedor. O executivo é o mais fraco dos poderes: não cria suas proprias regras (como MP,TJ,ALES) e todos mandam nele. Jamais irá parar de sofrer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =