Água e luz da residência ofical do governador custaram R$88 mil

Criada ainda em 1929 durante o governo do interventor João Punaro Bley, a residência oficial do governador, localizada na Praia da Costa, tem tido um alto custo aos capixabas. Enquanto a sociedade sofre com os cortes em áreas fundamentais como saúde, segurança e educação, o governo mantém luxuosidades e privilégios para políticos e personalidades em visitas ao local que tem uso restrito, apenas para agenda com o secretariado e recepção de políticos, inclusive muitas vezes para intermediar acordos partidários, nem sempre de interesse público.

Conforme levantamento realizado pelo portal Gazeta OnLine, apenas o custo de água e luz no ano de 2017 somaram R$88 mil. Tendo como média mensal R$7,3 mil. O custo da energia chegou à R$5,9 mil em março e da água em R$5,4 mil em novembro.Só em reformas, o governo chegou a gastar em 2016 um valor de R$ 284.259,40 mil.

É preciso que o governo honre com sua tão divulgada política da austeridade e dê uma finalidade pública, à atual residência, visto que é inconcebível o capixaba manter três locais para utilização do governador: o Palácio Anchieta, o Palácio da Fonte Grande e a Residência Oficial. Em 2016, o custo para manutenção dos três prédios ficou em R$3,4 milhões.

Por nota, o governo do Estado afirmou que desde o início da atual gestão vem aplicando medidas para reduzir os gastos. “No comparativo com o ano de 2014, em 2015; 2016 e 2017, o consumo de água e de energia foi significativamente reduzido. O consumo de água, teve uma redução de 137% e de energia, de 22,74%”, informou.

Fonte: Gazeta OnLine